Confira os destaques do primeiro dia da Casa de Criadores

Nessa segunda feira (24/11), se deu início à 47ª edição da Casa de Criadores, principal evento para a moda autoral nacional. Abaixo, você confere os principais destaques das apresentações 100% do evento.

DENDEZEIRO

Em Transatlântico, a Dendezeiro referencia a diáspora do povo preto e o transporte de pessoas negras da África para o Brasil, que trouxeram junto consigo suas tradições, culturas, crenças e costumes, que perduraram até hoje na base da luta e da resistência do povo preto. 

A coleção renova algumas peças e códigos da marca, que já estavam prometidas como uma das marcas mais efervescentes do cenário nacional. A maior parte das peças traz combinações e modelagens versáteis, com referências ao streetwear. Nas cores, a coleção viajando pelos tons terrosos mas passa longe de um minimalismo insípido, tendo muita personalidade em suas criações que referenciam a temática da coleção e já estão disponíveis no site da marca.

TRASH REAL OFICIAL

Em TRANSMUTTA, a TRASH realiza uma viagem em torno do tema da transmutação, incorporando dispositivos, códigos religiosos, rituais e brasilidades em um ode às corpas trans e travestis que nada contra a corrente em um universo decolonial. 

A coleção é construída coletivamente com pensadoras e pesquisadoras trans e travestis com destaque para Ventura Profana, que protagoniza a apresentação e o coletivo estético As Talavistas. As peças da Trash são criadas a partir de técnicas de upcycling, transfigurando e transmutando matérias primas e resíduos têxteis em novas peças que reconfiguram padrões nas cores e formatos. Para a marca “As roupas são como dispositivos feitos por travestis para viver o cotidiano e nossos rituais do dia-a-dia. São roupas que vestem corpas desviantes fora dos padrões coloniais, que se transfiguram, que passam de um estado ou condição a outro; desconvertem(-se) e transformam(-se).”

PERIFERIA INVENTANDO MODA

X BRAND

Integrando a apresentação da Periferia Inventando Moda (PIM), a X Brand cria  a coleção ORA YE YE Ô, inspirada em Oxum, o que se traduz em peças trabalhadas em búzios e referências identitárias da apresentação.

A coleção traz narrativas religiosas mas busca, acima de tudo, reverberar as potencialidades da cultura de matriz africana. Temos mulheres trans e travestis sendo representadas, assim como as mulheres  de idade madura e mulheres pretas faveladas podem se identificar, cada uma dentro  do seu contexto carrega sobre si a resistência e o empoderamento que é preciso adquirir  durante sua trajetória.  

Lucas Assunção

Publicitário formado mas que se identifica como Comunicador. Apaixonado por moda desde os 13 aninhos e querendo resolver todos os problemas da indústria. Só que não dá pra fazer tudo sozinho né, vem comigo?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s