Auto-aceitação ou estetização de problemas reais?

Entre saúde mental, drogas, transtornos alimentares e saúde mental, aprendemos algo com a celebrity-culture dos anos 2000 ou estamos repetindo os mesmos erros?

O que uma maquiagem que busca simular olheiras, com milhões de visualizações entre Reels e Tiktok, pode nos dizer?

Existem diversas questões e possibilidades a serem analisadas nesse quesito. 

Estamos vendo uma continuação de um movimento de aceitação de imperfeições e da realidade; cansados de passar corretivo e base escolhemos aceitá-los e, talvez, ir além e realçá-los? 

Ou, por outro lado, estamos de frente a um movimento de estetização ou glamourização da dor, de transtornos e de problemas de saúde mental?

Ainda, seria isso apenas um natural retorno do ciclo de tendências que agora revive a estética grunge, tão caracterizada pela imagem anti-estética, banda de garagem e rockstars com aparência não tão saudável? Mesmo que o seja, cabe lembrar que grandes representantes desse estilo musical e estético não tinham lifestyles exatamente saudáveis, muitas vezes regados a remédios, bebidas e drogas aos montes. 

Mais ou menos no mesmo período, e não por coincidência, explodia na moda o Heroin Chic. Para os mais desavisados, o heroin chic dominou a cultura pop por um bom tempo, caracterizado pela estética de mulheres hiper-magras (possivelmente anoréxicas) com aparência pouco saudável e que remetia, bem literalmente, ao uso de drogas, vícios e à glamourização desses. 

Não preciso me delongar muito para explicar o quão nocivo esse movimento foi para a moda e as cicatrizes profundas e duradouras que se estendem até hoje. A glamourização do uso de drogas como a cocaína e a heroína – obviamente -, da magreza extrema, dos transtornos alimentares e psicológicos e da ausência de saúde como um todo devem mais a essa estética – se é que podemos chamar disso – heroin chic. 

Vemos também um retorno forte da estética emo nos últimos tempos, que em algum momento se fundiu com os games e deu luz aos e-boys. O TikTok, principal terreno fértil desse resgate estético, enquanto é terreno fértil para conversas abertas sobre saúde mental e a naturalização dessas discussões – extremamente importante e característico das novas gerações – é também palco de discursos irresponsáveis sobre o assunto, gordofobia e incentivo a transtornos alimentares – mais ou menos como foi o Tumblr lá em 2008. 

Cabe aqui mais uma reflexão, vivemos o ápice uma das séries mais aclamadas dos últimos tempos: Euphoria. Já chamada, desde antes de seu lançamento, de a “Skins” da nova geração. Válido dizer que a forma como os transtornos psicológicos, alcoolismo e vício em narcóticos são tratados em Euphoria não passa nem perto da glamourização, estetização e até irresponsabilidade com que era feito em Skins. 

Euphoria - HBO pubblica il primo episodio su Youtube

Apesar disso, é, sim, possível traçar alguns paralelos. Importante também apontar que, a partir do momento em que produtos midiáticos e/ou culturais são jogados ao mundo, eles se tornam “do povo”, passíveis de apropriação e ressignificação pelo público, ainda mais com o poder de penetração e disseminação das redes sociais. Portanto, independente de quanta responsabilidade seja tratada a questão das drogas em Euphoria, a produção não está imune à glamourização que vem, quase sempre, junto aos produtos midiáticos dessa magnitude. 

A realidade está cada dia mais intragável. A ameaça do colapso climático, as desigualdades sociais, a crise e o colapso sanitário trazido pela pandemia e tantos outros fatores que marcaram fortemente a todos nós. Seria essa apenas uma ação-reação da realidade caótica em que vivemos? Uma espécie de aceitação radical? De qualquer forma, não é nenhuma novidade que a estetização e glamourização de dor e problemáticas é responsável por trazer mais danos do que benefícios relativos à aceitação.

Lucas Assunção

Publicitário formado mas que se identifica como Comunicador. Apaixonado por moda desde os 13 aninhos e querendo resolver todos os problemas da indústria. Só que não dá pra fazer tudo sozinho né, vem comigo?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s