Nike Go FlyEase, moda e design para acessibilidade

Essa semana a #Nike anunciou o Go FlyEase, um tênis que não precisa de mãos para ser calçado, o processo pode ser feito todo pelos pés (vídeo acima). Por trás do que pode parecer um simples design arrojado e uma ação de PR, está uma real proposta de moda com acessibilidade. 

Em 2012, Matthew Walzer, um garoto, na época, com 16 anos e portador de paralisia cerebral, escreveu para a Nike, sobre o desafio de realizar uma atividade tão automática para grande parte da população: calçar seus sapatos e amarrar o cadarço. Desde então a marca esteve em contato com Walzer e tem estudado e desenvolvido modelos de calçados para pessoas com deficiência. 

Nike Zoom Soldier 8 Flyease: How a 16-year-old inspired Nike to create a  shoe for the physically disabled | USA TODAY High School Sports

A atleta-esgrimista em cadeira de rodas Bebe Vio, foi escolhida como uma das personagens para protagonizar a campanha do Nike Go FlyEase, em que ela conta que sempre demorou muito para colocar seus sapatos na cadeira de rodas, algo que foi facilitado com esse modelo. 

A atleta, em entrevista, também aponta o que parece ser a outra linha narrativa da comunicação do Nike Go FlyEase: um tênis fácil e rápido de vestir, não apenas para pessoas com deficiência, mas para todo mundo na “vida real” (sic). No texto de lançamento do Sneaker, a marca aponta que os tênis podem ser para pessoas como Bebe Vio ou para pais atarefados no seu dia-a-dia. 

Você pode odiar amarrar seus cadarços o quanto quiser, mas para pessoas sem deficiência, essa não é uma atividade exatamente difícil. Por isso, é surpreendente que o Nike Go FlyEase seja anunciado como um tênis “fácil de calçar” para pessoas sem deficiência antes de um design para acessibilidade. Ao passo que pessoas com reais dificuldades de calçar e vestir roupas foram, e são, há tanto tempo invisibilizadas pela mesma indústria. 

Com exceção de marcas esportivas, que, devido ao mercado esportivo para pessoas com deficiência e eventos paralímpicos, já se encontrava anos luz à frente da grande indústria da moda. Mas a verdade é que por muito tempo a moda se fez cega para pessoas com deficiência e não podemos dizer, com certeza, que essas pessoas são integralmente ouvidas e consideradas nos processos produtivos. 

Itens como zíperes e elásticos incorporados a materiais como Jeans já tiveram o propósito de criar roupas com design inteligente, ainda no século 20, com a Levi’s. Essas peças no entanto foram rapidamente apropriadas pelo restante da indústria da moda e pouco se fala disso hoje – reitero aqui o meu questionamento sobre a Nike não tornar isso uma linha narrativa de comunicação. 

Isso, por muito tempo, afastou pessoas com deficiência da moda. Sendo sempre obrigadas a consumir de lojas “especializadas”, adaptar e criar suas roupas ou se tornarem dependentes de terceiros para uma atividade que deveria ser tão simples como o vestir-se. 

Como resultado da luta de diversas personalidades, ativistas e militantes por sua inclusão e representatividade na mídia e, consequentemente, na moda – porque toda imagem é uma imagem de moda – hoje, falamos cada vez mais sobre inclusão e integração de corpos não-normativos. 

Uma das grandes vozes desse movimento na moda é Aaron Phillip, trans, negra e PCD, mas, acima de tudo, um ícone fashion. Depois de ser descoberto em 2018 pela Elite Management, Aaron se tornou figurinha carimbada nas marcas de moda mais interessantes e atualizadas, e estrelou campanhas, entrevistas e editoriais como uma das vozes mais importantes no ativismo para pessoas com deficiência e LGBTQIA+

Model Aaron Philip is a pioneer for equality in fashion - i-D
Fotos: I-D Magazine

No Brasil, a À LA GARÇONNE criou uma completa linha de roupas inteligentes com peças que pautavam a acessibilidade em colaboração com a R******** (gigante do fast-fashion nacional).

Na segunda década do século 21, falamos cada vez mais sobre diversidade e integração de diferentes corpos, além de corpos de diferentes tamanhos é preciso, também, considerar suas diferentes limitações.

Coleção Barbie À La Garçonne, da Riachuelo, valoriza diversidade | Exame
Lucas Assunção

Publicitário formado mas que se identifica como Comunicador. Apaixonado por moda desde os 13 aninhos e querendo resolver todos os problemas da indústria. Só que não dá pra fazer tudo sozinho né, vem comigo?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s