Retorno Triunfal: NYFW, MET Gala e Neocolonialismo

Entre a NYFW e um MET Gala cujo tema e exposição vigentes falam sobre a história da moda americana (norte americana*), os EUA parecem viver um delírio ufanista desde a reabertura das cidades e o suposto ‘pós-pandemia’ que o país vive. 

De monopolizar as vacinas até um real show de fogos de artifício quando a cidade de NY reabriu, os EUA estão empenhados em mostrar uma espécie de vitória sobre a COVID-19 e servir como uma espécie de vitrine para o mundo do que é a vida pós-pandemia, mesmo que eles mesmo ainda não estejam vivendo essa realidade. Com uma população numerosa se recusando a tomar vacina e um movimento forte dos antivaxers nos EUA, inclusive, com diversas celebridades que amamos – ou amávamos? – a variante Delta tem feito estrago por lá, apesar do retorno de algumas restrições e do passaporte da vacina. 

Nos EUA, que começaram seu esquema vacinal ainda no ano passado, os totalmente imunizados são aproximadamente 52% e os parcialmente imunizados são 60%. Já os números de mortes diárias por COVID-19 nos EUA já tem ultrapassado os milhares/dia nos últimos dias, com mais de 2 mil mortes notificadas em 20/09 e 207 mil novos casos na mesma data. 

Mesmo com essa realidade, eventos como o VMA, MET Gala, NYFW com shows presenciais e estádios lotados continuam a acontecer nos EUA e a situação da COVID-19 parece ser varrida para debaixo dos tapetes por lá, em busca de manter uma imagem de país modelo e um retorno triunfal ‘pós-pandemia’ e ‘pós-Trump’. 

Esse tal delírio ufanista tem nome e estratégia e se chama neocolonialismo ou imperialismo cultural, o processo em que os EUA – bem como outros países – historicamente exerceu sua dominância e soberania mundial através (não só do militarismo) da influência e dominação cultural, principalmente – mas não exclusivamente – sobre os países da América Latina. No Brasil, esse processo tem ainda o nome de Americanismo e é especialmente notório desde o fim da Primeira Guerra Mundial, apesar de perdurar até hoje. 

Para a manutenção dessa influência e hegemonia cultural dos EUA, o pioneirismo na vitória sobre a COVID-19 e a retomada – mesmo que irresponsável – da ‘vida normal’ são passos fundamentais. Não por acaso, a tentativa de reviver seus principais eventos culturais, como as premiações e shows, foram prioridade, com eventos ainda em 2020, mesmo que com restrições. Isto é, pois com audiências globais sobre estes eventos se dá a manutenção da indústria cultural norte-americana. 

E o que isso tem a ver com a moda?

Absolutamente tudo! A moda, historicamente, sempre foi uma das principais ferramentas do capitalismo, da exclusão e da dominação desde seu surgimento. A New York Fashion Week foi a primeira semana de moda a retornar em formato presencial, com desfiles ao vivo com plateias e dezenas de pessoas nas ruas, sendo fotografadas aos moldes do streetstyle. 

A semana de moda se encerrou no MET Gala, um dos maiores eventos da moda a nível mundial, que tinha o tema de Americana, e para a exposição do Metropolitan Museum, o tema de In America: A Lexicon In Fashion, em uma grande ode à moda norte-americana. No entanto, o grande retorno triunfal da moda e da indústria cultural norte-americana parece andar aos trancos e barrancos. 

No MET Gala, vale dizer que o tema foi pouco seguido, ao que se esperava uma grande valorização de designers norte-americanos se tornou um grande embrolho sem muita linha de raciocínio e pouca representatividade de designers pretes. Grande parte dos que de fato seguiram o tema, optaram fazê-lo em forma de protesto, criticando a falta de representatividade ou elucidando suas origens e os processos migratórios, como a própria Rihanna, estrela do baile. Afinal, os EUA são um país de imigrantes. 

Enquanto o tapete vermelho do MET acontecia a todo vapor, em uma grande demonstração da opulência das elites norte-americanas, também ocorria um protesto do lado de fora, de grupos abolicionistas e do Black Lives Matter. O protesto foi recebido com violência policial e diversos protestantes foram presos na situação. Além disso, o impacto da COVID-19 sobre os EUA volta a aumentar e abafa o barulho da indústria cultural, além de preocupar autoridades. 

A indústria cultural americana e as tragédias

Se tudo isso ainda parece meio conspiratório demais para você, vamos dar uma volta no passado para pensar em como os EUA reagem à tragédias históricas segundo o recorte da indústria e imperialismo cultural. De 1918 a 1920, os EUA viveram a pandemia da gripe espanhola, um cenário similar ao que vivemos atualmente. Com o fim da pandemia, chegaram os opulentos e hedonísticos anos 20, quando os EUA prosperaram culturalmente na música, no cinema, na moda e joalheria e nas festas. 

O fim dos chamados ‘Roaring Twenties’ foi em 1929, quando a Bolsa de Valores Norte Americana quebra e dá início a uma massiva crise nos EUA. Pouco tempo depois, em 1931, surge o termo American Dream, criado para justificar o grande Sonho Americano, de ir para os Estados Unidos e ter sucesso, massivamente utilizado para designar uma utopia norte-americana onde qualquer um – e principalmente imigrantes – poderiam realizar seus sonhos através do trabalho árduo. Apesar de ter sido cunhado e utilizado bem antes, a ideia do ‘American Way Of Life’, de que o jeito americano de viver era o melhor e mais próspero, também ganha muita força nesse momento, para recuperar o orgulho e auto-estima dos americanos, bem como uma hegemonia cultural sobre os países da América Latina. 

Bom, vamos então para talvez a mais notória tragédia da história dos EUA: o 11 de setembro. O incidente do 11 de setembro de 2001, aconteceu quando os EUA viviam um período de grande efervescência cultural e grandes símbolos e ícones da cultura americana foram criados nesse período, no início dos anos 2000. Vale dizer também que o 11 de setembro aconteceu durante a NYFW daquele ano. 

O impacto do 9/11 foi tão gigante sobre a indústria cultural, músicas foram proibidas, ou desrecomendadas por referências a aviões, palavras como ‘Crash’ e ‘Egyptian’, ao passo que outras como ‘Only in America’, ‘New York, New York’ e ‘New York State Of Mind’ e outros hinos nacionalistas e esperançosos foram incentivadas e começaram a dominar as paradas de sucesso. Fonte: VICE. 

O designer norte-americano Miguel Atrover, da Saint Miguel, que experienciou grande sucesso na época, foi inevitavelmente à falência após o 11 de setembro, por ter apresentado uma coleção que fazia referência a hijabs e outras vestimentas árabes ainda em fevereiro. A narrativa do terrorismo e dos americanos salvadores se tornou ainda mais presente no cinema e na televisão desde então e os inimigos – que em anos anteriores eram os russos – se tornaram personagens do Oriente Médio. 

Segundo especialistas, o ciclo de tendências – ou seja, o tempo médio em que tendências demoram para voltar ou serem reinterpretadas – é de 20 anos, o que bate exatamente com a data do 11 de setembro e com o boom de diversas tendências dos anos 2000. Isso quer dizer que possivelmente vamos viver ainda mais as tendências de antes e depois do 9/11, basta olhar para o VMA, deste ano, um grande tapete vermelho de referências dos anos 2000. 

São inegáveis os esforços da indústria cultural norte-americana em se reerguer e recuperar a hegemonia cultural depois de tragédias – atualmente, a COVID-19 e Donald Trump -, mas, com um potente movimento antivax, a pandemia voltando a assustar por lá e um clima político e racial ainda tenso, pode ser que o tal retorno triunfal precise esperar.

Lucas Assunção

Publicitário formado mas que se identifica como Comunicador. Apaixonado por moda desde os 13 aninhos e querendo resolver todos os problemas da indústria. Só que não dá pra fazer tudo sozinho né, vem comigo?

Uma resposta para “Retorno Triunfal: NYFW, MET Gala e Neocolonialismo

  1. Eu adorei o texto. Todas as relações culturais foram muito bem realizadas, além de que o apoio em suporte histórico não faltou neste texto. Muito bem colocado.

    Curtir

Deixe uma resposta para Giovanna Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s